Justiça britânica rejeita alimentação forçada de anoréxica à beira da morte


Foto. EyeWire inc
Corte decidiu que alimentação forçada não serve os interesses da paciente (Foto. EyeWire inc)
Em decisão polêmica, um juíza da alta corte de Londres determinou que alimentação à força não estaria de acordo com os melhores interesses de uma mulher anoréxica à beira da morte.

A decisão determinou que medidas cabíveis devem ser tomadas para ganhar a cooperação da anoréxica, mas sem o uso da força.A magistrada Eleanor King tomou uma decisão favorável ao Sistema de Saúde britânico (da sigla em inglês, NHS), ao permitir que médicos "não provenham nutrição e hidratação", se a paciente não concordar.
Por razões legais, o nome da paciente não foi divulgado, mas ela foi denominada L durante o julgamento.

20 quilos

Apresentada como "altamente inteligente", L pesa 20 quilos, nasceu no norte da Inglaterra e sofre de anorexia nervosa desde os 12 anos de idade.
Desde os 14 anos, tem passado quase toda a sua vida internada em clínicas.
A anorexia cria o medo de ingerir calorias,fazendo com que a pessoa pare de comer.
"Chegou um ponto em que o sistema de saúde, que cuida da parte física dela, passou a acreditar que alimentação à força não é o melhor para ela, apesar que, se não alimentada, provavelmente ela morrerá", disse a representante legal do sistema de saúde britânico Bridget Dolan.
De acordo com Dolan, L não expressa desejo de morrer e esta não seria parte da sua motivação de não comer, ou de não se hidratar. Ao mesmo tempo, a anorexia não a permite comer.
L concordou em ser alimentada com 600 calorias por dia por um tubo, mas isto seria insuficiente para ela manter o peso atual.
"Até certo ponto, ela superou as expectativas ao conseguir viver com um peso tão baixo", disse Dolan.

Batalha 'perdida'

Baseada nas evidências, a juíza King declarou que "esta não é uma batalha que (L) irá vencer".
King chamou os pais de L de "extremamente valentes" e disse à família: "A tarefa agora é fazer destas últimas semanas as mais confortáveis possíveis, para que vocês tenham a maior quantidade possível de tempo juntos".
Em junho, um juiz da alta corte havia decidido que uma mulher do País de Gales com anorexia severa fosse alimentada à força.
Nesse caso, a mulher queria ter o direito de morrer, e o juiz argumentou que ela seria incapaz de tomar decisões.

Nenhum comentário:

Postar um comentário