Pesquisa chama atenção para vilão desconhecido causador de infecções de garganta



Agosto/2012   Novas análises realizadas por pesquisadores da Universidade do Alabama, nos Estados Unidos, sugerem que médicos têm que tomar cuidado com o diagnóstico e tratamento de dor de garganta em adolescentes e jovens adultos. Segundo as novas descobertas, a presença de uma bactéria chamada Fusobacterium necrophorum também deve ser procurada nestes casos.

Geralmente, a dor de garganta é causada por infecções por estreptococos do grupo A, e só nos últimos cinco anos a F. necrophorum passou a ser considerada uma possível causa de faringite em adolescentes e adultos. De acordo com a pesquisa, bactérias deste tipo podem ser responsáveis por até 10% das infecções em pessoas com idade entre 15 e 24 anos. “O mais preocupante é que a bactéria é associada a uma complicação perigosa chamada de síndrome de Lemierre”, explica o médico Robert Centor, que participou do estudo.
A síndrome afeta principalmente adolescentes e jovens adultos, e começa como uma dor de garganta normal, que infecciona a veia jugular após quatro ou cinco dias. As infecções podem se espalhar por outras partes do corpo, e a síndrome pode levar à morte em até 5% dos casos. Estreptococos do grupo A são associados com outra complicação perigosa, a febre reumática, entretanto, a incidência da síndrome de Lemierre é muito mais comum, e tem uma taxa de mortalidade muito maior. “O risco da síndrome excede o risco de febre reumática aguda, que é o motivo mais comum pelo qual os médicos se preocupam com dores de garganta”, afirma Centor.
» 10 Inacreditáveis anúncios de cigarros
Se as dores e a inflamação não melhorarem entre três e cinco dias, os médicos devem explicar aos pacientes a preocupação e fazer exames para detectar a presença da bactéria F. necrophorum. Além disso, Centor alerta que médicos devem cuidar para ver os sinais que acompanham a síndrome de Lemierre, como inchaços unilaterais no pescoço, rigor muscular, suor noturno e febre alta. Não há exames rotineiros que detectem esta bactéria, e, para observar a síndrome, é necessário fazer uma tomografia cerebral. O médico ainda explica que o tratamento contra a bactéria pode ser feito com antibióticos agressivos, com uma combinação de penicilina e metronidazol. [Science Daily]

Nenhum comentário:

Postar um comentário