Mal de Alzheimer pode ser um tipo de diabetes, dizem cientistas



Set/2012  Por trabalhar incessantemente mesmo durante o sono, quando está “descansando”, nosso cérebro demanda uma boa quantidade de energia para funcionar. Ao longo de centenas de milhares de anos, dietas ricas em açúcar e gordura foram necessárias para a evolução – hoje, porém, cada vez mais pessoas “passam do ponto”.
Não é segredo que dietas mal balanceadas podem causar obesidade e diabetes, e há evidências de que podem desencadear mal de Alzheimer também – doença que alguns estudos sugerem que seja um tipo de diabetes. Recentemente, a neuropatologista Suzanne de la Monte, da Universidade de Brown (EUA), investigou como a falta de insulina pode prejudicar o cérebro.
O hormônio é conhecido por controlar os níveis de açúcar na corrente sanguínea, e baixa sensibilidade a ele por parte de determinadas células (do fígado, de gordura e dos músculos) está ligada a diabetes tipo 2. Em seu estudo, de la Monte interrompeu o fluxo de insulina para o cérebro das cobaias (ratos, no caso). Resultado: as áreas de memória foram seriamente prejudicadas, cobertas por placas, e muitos neurônios se desgastaram e perderam suas conexões – sintomas típicos da doença de Alzheimer.
Dieta insana
Talvez ainda seja cedo para dizer se existe uma “diabetes tipo 3″ (como alguns pesquisadores têm sugerido), mas não há dúvida de que a lista de problemas causados por uma alimentação ruim não para de crescer – e, ainda assim, o comércio de alimentos altamente gordurosos ou ricos em açúcar continua firme e forte.
Em artigo não assinado, a equipe editorial da revista New Scientist questiona possíveis ações para reverter essa onda de má alimentação: processar empresas que vendem alimentos perigosos, aumentar os impostos sobre esses produtos (como é feito na Dinamarca, por exemplo), fazer campanhas de conscientização, ou usar substâncias químicas para bloquear esse desejo exagerado que tantos nutrem por fast food.
Cada proposta levanta questionamentos (impedir que consumidores comprem um produto que, em excesso, pode fazer mal a eles, não seria contra a liberdade individual?). Assim, a situação não é simples como pode parecer à primeira vista. “Mas o cérebro humano também evoluiu para encontrar soluções engenhosas para problemas intratáveis”, escreve a equipe. “Ele ainda pode vir para seu próprio resgate”.[New Scientist]

Nenhum comentário:

Postar um comentário