Entre as piores formas de morrer, segundo a ciência



8 piores formas de morrer, segundo a ciência
Que todos nós iremos morrer, isso é fato. Mas perturbador mesmo, é pensar que estamos suscetíveis a sofrer com qualquer tipo de morte. Se a morte em si já assusta, morrer dolorosamente assusta definitivamente mais.
Você já se pegou pensando em qual tipo de morte terá? Tudo bem que esse pensamento é bastante perturbador, mas perturbador mesmo é o que você verá a seguir.
A ciência já conseguiu descobrir quais são os 8 piores tipos de morte que alguém pode ter. Confira a lista e não se esqueça de deixar o seu comentário ali em baixo, no espaço destinado especialmente para isso.

1- Morrer de fome


Se já nos sentimos incomodados quando passamos fome durante um curto período de tempo, imagine só como esse processo não deve ser cruel até que finalmente leve alguém a morte?
Pois bem, como você já deve imaginar, morrer de fome não é um processo rápido, e isso significa dizer, que durante um longo tempo a vítima da fome literalmente sofre. 

Como o nosso corpo evoluiu exatamente para suportar períodos de secas e escassez, ele naturalmente acumula uma certa quantidade de lipídios (gordura) que nos serve como reserva energética.
Após essa reserva se esgotar, o nosso organismo passa a “digerir” os próprios músculos, e por fim os próprios órgãos, assim como o coração.
Acontece que durante esse processo é bem provável que o indivíduo faleça em virtude de alguma doença ou infecção, uma vez que seu sistema imunológico simplesmente deixa de existir. Mesmo assim, casa alguém sobreviva as doenças chega um momento em que a vítima não mais sente fome, pois o seu corpo entra em um estado de falência.
As pessoas que morrem de fome, geralmente falecem por conta de um ataque cardíaco, uma vez que o coração também começa a ser digerido e fica fragilizado.

2- Morrer de sede


Bem que você foi avisado por sua mãe que deve beber água com uma certa frequência. E acredite, nada disso é à toa, afinal, o nosso corpo é composto por nada mais e nada menos do que 60% de água. 

Quando os níveis de H2O começam a cair em nosso organismo, uma série de sequelas e coisas dolorosas começam a acontecer.
Para manter o fluxo de sangue correndo em nossas veias, a primeira coisa que o nosso organismo faz é retirar água de nossas células, consequentemente as células de nosso cérebro também são afetadas, elas diminuem de tamanho, e fazem com que os vasos sanguíneos que existem em nossa cabeça, se afastem do crânio, visto que ocorre uma perca no volume do cérebro.
Consequentemente sentiremos muitas dores de cabeça, alucinações, delírios, câimbras em todos os músculos e bastante dor.
Os seus órgãos começam a morrer, sendo os rins o primeiro deles. Por consequência acumularemos uma série de toxinas que seriam naturalmente liberadas em nossa urina. O processo inteiro pode se estender por até 2 semanas. Sendo considerado bastante doloroso e aflitivo.

3- Decapitação


Se você pensou que a decapitação proporcionava uma morte indolor e rápida a suas vítimas você se enganou. 

No ano de 1905 um médico chamado Dr. Gabriel Beauriex fez um extenso relatório, alegando que conseguiu interagir por 30 segundos com uma cabeça que havia sido guilhotinada.
Os cientistas atualmente acreditam que o tempo de consciência que a cabeça pode ter fora do corpo é um pouco mais curto, sendo próximo dos 3 a 5 segundos.
Mesmo assim esse curto espaço de tempo pode ser uma real eternidade para quem está nessa condição, além disso, a maioria dos cientistas também concordam que por mais rápida que essa morte pode ser, ela provavelmente não é indolor, gerando agonia e dor profunda no guilhotinado por alguns segundos.
Além disso, em muitos casos, (acredite ou não), muitas vezes a lâmina usada não estava afiada o suficientemente.
Uma mulher chamada Mary Stuart levou três golpes com um machado antes de morrer, gritando assustadoramente em cada uma delas.

4- Injeção letal


Por mais que acreditemos que somos pessoas mais humanas, agora que abolimos a guilhotina, e usamos apenas a injeção letal para matar presos condenados à pena de morte nos EUA.
Saiba que esse processo não é tão seguro e tranquilo assim.
Em uma seringa como está, existe a combinação de três elementos químicos. O tiopental de sódio, que serve para deixar o condenado inconsciente, o brometo de pancurônio, que serve para paralisar todos os seus músculos, e por fim, o cloreto de potássio, que literalmente é a substancia que o mata.
Acontece que não existe uma fórmula exata que determina qual é a quantidade ideal de cada um desses elementos, principalmente levando em consideração que cada pessoa tem um peso e um tipo de organismo.
Acontece que existe muitos relatos de presos que ao morrer gemeram muito de dor, se contorceram ou até mesmo tentaram se sentar.
Tudo isso indica, que muito possivelmente, alguns já foram paralisado, porém não sedados, e morreram agoniando de dor enquanto o ar lhe faltava e o seu coração simplesmente era forçado a parar de bater.

5- Cadeira elétrica


Como você pode deduzir, esse não é um jeito bacana de se morrer. Quando alguém é submetido a cadeira elétrica, ela literalmente é “torrado” até a morte.
O seu sangue ferve, saindo por todos os orifícios, a temperatura do corpo se eleva de tal maneira que a pele queimada pode até mesmo se desgrudar do corpo.
Além disso, há casos em que o condenado levou simplesmente 10 minutos dolorosos para morrer. Nessa condição a vítima se torna incapaz de falar ou se mover, queimando por completo mesmo que conscientemente. 

6- Crucificação

 Apesar de conhecermos esse método mais simbolicamente, a gente sabe que antigamente este era um método bastante utilizado para tortura e execução.

Apesar de muitos acreditarem que a causa da morte por crucificação era a hemorragia, muito condenados simplesmente morriam asfixiados.
Isso ocorria porque instintivamente apesar das mãos e pés perfurados, a tendência era que a vítima apoiasse o peso de seu corpo nessas extremidades. Uma vez que o copo já não possuía mais forças, ele se projetava para frente, esmagando os pulmões, e consequentemente levando o indivíduo a morte por falta de ar.
Porém caso resistisse a esse processo, ele lentamente de fato sangraria até morrer. Geralmente levava-se horas ou até dias para que alguém morresse com esse método.

7- Descompressão


Quando um ambiente pressurizado sofre com a descompressão, automaticamente os órgãos, coluna vertebral e qualquer outra coisa que existe próximo a sua caixa torácica é rapidamente expelida para fora do seu corpo.
Em alguns casos como a despressurização não ocorre de forma rápida, as vítimas simplesmente não conseguem respirar, e o ar que existe em seu pulmão dilata, queimando tudo a sua volta.

8- Morrer queimado


Apesar de 75% das vítimas de incêndios morrerem na realidade envenenadas com o monóxido de carbono, quem de fato morre pelo contato com o fogo simplesmente tem uma morte infernal.
A dor é extrema, e acredite por um longo período de tempo, você ainda ficará consciente, sentindo a primeira camada de sua pele derreter podendo sentir até mesmo o cheiro de sua própria carne queimada.
E então queridos leitores, vocês podiam imaginar que esses eram as 8 piores maneiras de se morrer? Qual desses métodos mais te causa calafrios? Conta pra gente aqui em baixo pelos comentários.

Nenhum comentário:

Postar um comentário