Sailson José das Graças, 26 anos,-SERIAL KILER

10 de dezembro DE 2014  , um homem foi preso em flagrante após matar uma mulher a facadas em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. 

O homem, identificado como Sailson José das Graças, 26 anos, confessou para a polícia que já matou 42 pessoas nos últimos nove anos. 

 Sailson confessou de, pelo menos, 38 mulheres, e estaria envolvido na morte de três homens e uma criança.



De acordo com a polícia, o suspeito disse em seu depoimento que só matava mulheres brancas, louras ou morenas. “Negra, de raça, não, porque é da família”, disse Sailson.

Ainda em seu depoimento, ele confessou que matava por prazer e que estudava as suas vítimas.
“Ficava observando a vítima, estudando. Esperava um mês, às vezes uma semana, dependendo do local. Eu procurava saber onde ela mora, como é a família dela, se ela passava na rua, via, dava uma olhada na casa, ficava estudando ela. De madrugada, numa brecha da casa, numa facilidade, eu aproveitava, entrava”.
Confessou também que gostava de matar suas vítimas asfixiadas para vê-las morrendo de olho aberto e, quando o assassinato era encomendado, ele utilizava uma faca.

O delegado Pedro Henrique, titular da Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense, acredita em seu depoimento pois os detalhes que ele teria confessado pois só uma pessoa que tivesse cometido e/ou presenciado os crimes poderia relatar tantos detalhes.
Durante o depoimento, ele ainda confessou que ficava mais tranquilo depois de praticar os crimes.
“Quando eu não fazia, eu ficava nervoso, andava pra lá e pra cá dentro de casa. Aí quando eu fazia já ficava mais tranquilo. Fazia uma vítima ali, aí podia ficar uns dois meses sem fazer, uns três meses. Ficava na boa, só pensando naquela que eu matei. Aí, saía para a caçada”.
Segundo o depoimento de Sailson, ele começou a cometer crimes ainda na sua adolescência. Começando a roubar coisas pequenas e, conforme foi crescendo, começou a ter pensamentos diferentes. Com 17 anos, matou a sua primeira vítima, uma mulher. 

Ele contou também que gostava de ler livros na biblioteca da prisão, onde teria aprendido algumas de suas técnicas para não deixar vestígio dos crimes, como usar touca, luvas ou cortas as unhas das vítimas caso havia luta corporal.

Em relação aos crimes encomendados, Sailson diz que matava a pedido de uma mulher e o ex-marido dela, ambos também presos pela polícia, e que ela o bancava com água, comida, roupa e etc, em troca dos assassinatos.

 A polícia acredita que ele cometeu quatro assassinatos por encomenda.

Durante todo o seu depoimento, Sailson se mostrou muito frio e sem nenhum arrependimento.
“Não me arrependo não. Pra mim o que fez, tá feito. E não volto atrás, não tenho nenhum arrependimento. Se eu sair daqui a uns 10, 15 ou 20 anos, eu vou voltar a fazer a mesma coisa. É a vontade mesmo, não tem jeito. Eu saio, escolho as minhas ‘mulher’, as mulheres do meu perfil, e se achar que tem que ser, vai ser”.
Por conta do último caso de Tiago Rocha, o serial killer de Goiânia, alguns especialistas acreditam que ele é um psicopata que gosta de receber atenção e que ele deve ser tratado com cuidado.

 Já outros, dizem que ele tem total compreensão do que estava fazendo e sabia das possíveis consequências e, em tese, essa personalidade não possui uma deficiência mental, como, por exemplo, esquizofrenia.

Na manhã de quinta-feira, 11 de dezembro, Sailson foi levado ao IML para realizar exames de corpo de delito antes de seguir para a prisão e deve ser levado para o Complexo Penitenciário de Gerincinó, em Bangu

Nenhum comentário:

Postar um comentário